BezerroRecemNascido
Cuidados com o umbigo do bezerro recém-nascido e o uso da metafilaxia

A cura adequada do umbigo, a colostragem e medidas de profilaxia são fundamentais para evitar afecções nos bezerros, que refletem negativamente na produção. Confira mais detalhes sobre o assunto no Blog JA!

Introdução

O período logo após o nascimento de um bezerro é crucial para sua saúde e bem-estar. Um dos aspectos importantes a serem considerados é o cuidado com o umbigo desses animais, estrutura de conexão com a placenta durante a gestação, sendo uma porta de entrada potencial para infecções. Diante disso, medidas adequadas para garantir a cicatrização correta e a prevenção de complicações são necessárias. É importante que o local de nascimento e criação dos bezerros seja minimamente seco e limpo para que o umbigo não fique tão exposto a contaminações ambientais, o que prejudica a cura da estrutura e aumenta o risco de infecções (FURINI et al., 2014). Outra medida fundamental na prevenção e no controle de enfermidades no primeiro mês de vida dos bezerros é a metafilaxia, que também será abordada nesse artigo.

Onfalopatias

A ausência de cuidado e atenção quanto ao umbigo dos bezerros, incluindo medidas de manejo ambiental e de higiene, pode gerar como consequência as chamadas: onfalopatias, afecções que acometem o ônfalo (umbigo), composto por quatro estruturas: duas artérias, uma veia e o úraco. Dentre essas onfalopatias destaca-se a infecção do umbigo (onfalite) que pode ser subclassificada em: onfaloflebite (quando afeta a veia umbilical), onfaloarterite (quando afeta a artéria umbilical) e onfalouraquite (quando afeta o úraco) (BOSCARATO, 2021). Essa enfermidade é uma das mais importantes doenças de bezerros, estando associada às infecções secundárias em diversos sistemas como: respiratório, locomotor, digestivo e renal (Figura 1), podendo ocasionar até mesmo morte desses animais.

Figura 1

A cura do umbigo

A cura do umbigo tem como objetivo evitar esses problemas, promovendo sua desidratação com o colabamento dos vasos, através de medicamentos que promovem ação desinfetante, cicatrizante e repelente (COELHO, 2005; PEREIRA, 2011 apud OLIVEIRA, 2017). Conforme um estudo realizado na Universidade de Cornell (nos Estados Unidos), bezerros leiteiros com umbigo desinfetado apresentaram menor taxa de mortalidade (de 7%) em comparação com bezerros que não receberam nenhuma desinfecção (que apresentaram taxa de 18% de mortalidade) (OLIVEIRA, 2017 apud BITTAR; PAULA, 2010).

É recomendado que esse procedimento de cura seja feito imediatamente após o nascimento com a imersão completa do cordão umbilical em solução de iodo a 7 a 10%, sendo necessário repeti-lo por pelo menos três vezes (COELHO, 2005; LEONEL et al., 2009). O iodo é uma solução antisséptica que acelera a mumificação e queda do coto, rompendo o contato da região intra-abdominal com o ambiente (BERTAGNON, 2013 apud OLIVEIRA, 2017). Outra alternativa é o uso de solução de ácido pícrico que também provoca a mumificação dos componentes do umbigo.  

O uso da metafilaxia

Outra medida muito eficaz para o controle das onfalopatias infecciosas e outras enfermidades que podem afetar os bezerros é a metafilaxia, que consiste na administração de um antimicrobiano injetável de longa ação, em doses terapêuticas, destinado a um grupo de animais em situação de risco. Uma excelente alternativa metafilática da JA Saúde Animal é o Pró-Bezerro, uma formulação exclusiva inovadora à base de Penicilina G Benzatina associada a um antiparasitário, Ivermectina.

A Penicilina G Benzatina é um fármaco do grupo dos beta-lactâmicos que atua sobre bactérias (Gram-negativas e Gram-positivas) e que possui ação mais prolongada dentre as penicilinas. Já a Ivermectina presente em sua fórmula age protegendo o bezerro da infestação por larvas da miíase (bicheira) na cicatriz umbilical, muito comum nos primeiros dias de vida.

A ação metafilática do Pró-Bezerro foi comprovada através de um trabalho desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com 600 bezerros (dados não publicados). Na oportunidade, o grupo tratado com o medicamento apresentou baixíssimos índices das enfermidades analisadas (principais doenças infecciosas da categoria). O trabalho evidenciou ainda, a superioridade do produto em relação aos animais tratados com a Doramectina isolada.

Dentre várias vantagens, Pró-Bezerro é o único antimicrobiano específico para recém-nascidos do mercado, conferindo proteção por até 28 dias (figura 2) e proporcionando menor ocorrência de morbidade (doenças) e de mortalidade no 1º mês de vida. A aplicação do produto deve ser feita por via intramuscular (na face interna da coxa), preferencialmente nos primeiros dias de vida do bezerro, na dose única de 5 mL por animal.

Essa aplicação em dose única permite maior praticidade, menor uso de mão de obra, aliado ao menor estresse para o animal, sem contar o excelente custo-benefício, já que 1 frasco promove proteção de 10 bezerros (10 doses de 5 mL). Cabe ressaltar que o medicamento está disponível também na apresentação de seringa de 5 mL. Por fim, Pró-Bezerro é ideal para melhorar o desempenho dos animais e a uniformidade dos lotes. Conheça mais detalhes sobre esse e outros produtos em nosso site!

Figura 2Níveis plasmáticos da Ivermectina e Benzilpenicilina Benzatina demonstrando a longa ação do Pró-Bezerro.

Texto: Juliana Melo (Médica Veterinária – Jornalista)

Referências Bibliográficas

BITTAR, C. M. M.; PAULA, M. R. Prevenção de onfalopatias em bezerros. In: Artigos. 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2017.

BOSCARATO, A. G. ; MARTINS, W. C. ; PACHECO, F. C. ; BELETTINI, S. T. ; QUESSADA, A. M. ; ALBERTON, L. R. . Abordagem cirúrgica em bezerros com onfalite. ACTA SCIENTIAE VETERINARIAE (ONLINE) , v. 1, p. 1833, 2021.

FURINI, P. M.AZEVEDO, R. A. deRUFINO, S. R. de A.; CAMPOS, M. M.; MACHADO, F. S.; COELHO, S. G. Manejo sanitário de bezerras leiteiras. 2014. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/106194/1/folder-ManejoInicialBezerras.pdf. Acesso em: 15 ago. 2023.

LEONEL, R.A.B; MATSUNO, R.M.J.; VERONEZI, A.H.M.; PEREIRA, D.M. Neonatologia de grandes animais. Revista científica eletrônica de medicina veterinária, v. 7, n. 12, p. 1-4, 2009.

MELO OLIVEIRA ET AL., Alexandra. Avaliação de diferentes protocolos utilizados na cicatrização umbilical em bezerros. Revista Acadêmica: Ciência Animal, v. 15, Suppl 2, p. 81, 29 ago. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.7213/academica.15.s02.2017.40. Acesso em: 15 ago. 2023.

PAULA, L. N. B. et al. Diagnóstico e controle das doenças de bezerros em sistemas de produção de bovinos de leite da região de Lavras/MG. In: CONGRESSO DE EXTENSÃO DA UFLA (CONEX), 3. 2008. Anais…Lavras: UFLA, 2008.

Você também pode gostar…